Nossos papéis se inverteram.

Às  vezes me bate um arrependimento de não ter falado mais aquela vez. Poderia ter jogado na sua cara as milhares de tentativas minhas e as milhares de vezes que você pisou na bola. Poderia ter falado todas as vezes em que eu corri, fui atrás, passei por cima do meu orgulho só para tentar fazer a gente ficar bem. Poderia ter dito todas as vezes que você me magoou e nem percebeu, ou quando percebeu não fez questão de me fazer sentir melhor, simplesmente ignorou, deixou passar, porque você sabia, tinha quase certeza que eu estaria para sempre ao seu lado, independente de qualquer coisa. E quer saber? Você tinha razão.  

Eu estaria sempre ao seu lado. Poxa, como eu queria viver ao seu lado. É uma pena, mas foi você mesmo quem não quis. Agora nossos papéis se inverteram, eu estou aqui, de alma quieta, coração tranquilo, estou bem ciente de que fiz além do que eu podia. Enquanto você está aí, no lugar onde eu já estive uma vez, desesperado, sem saber o que fazer ou sem saber a quem recorrer, vendo o amor da sua vida simplesmente ignorar sua presença, mas tenho certeza que a sua sensação é ainda pior um pouquinho: você me tinha, de corpo e alma, você que não me valorizou, já eu meu bem, nunca te tive de verdade. Eu estive nesse mesmo cantinho onde está, de lado na vida de alguém com quem tanto se importa. Mas pode ficar tranquilo, isso vai passar, não vai durar para sempre não. Aquelas palavras que me disse servem certinho para essa ocasião: ninguém morre de amor. 

Ninguém morre de amor meu bem, mas sofre muito quando se dá conta que tinha o amor da sua vida ao seu lado, mas preferiu ter outras prioridades, e agora que suas prioridades se inverteram, já é tarde demais. Ninguém vai perder a vida esperando você mudar. O amor é para quem sabe viver na hora, aproveitar a companhia, valorizar a presença. E infelizmente você não valorizou a minha presença enquanto ainda estava com você, e agora é como diz aquele ditado: agora é tarde demais meu amor, sua vez já passou. Passar bem. (Escrito por Bárbara Flores)

Comente com o Facebook: