Resenha do livro: Amor fora do ar.

SINOPSE: Ele era alto, pelo menos 1,80, com cabelos loiros sujos que pendiam sobre os olhos. Sua camiseta dizia “Nietzsche é o meu garoto”. Então, esse era Matt. De quem Julie Seagle gosta. Muito. Mas há também Finn. Que ela ama. Complicado? Estranho? Completamente. Mas, realmente, como esta recém-transferida estudante de Boston e caloura da faculdade deveria saber que ela acabaria vivendo com a família de uma velha amiga de sua mãe? Isso tudo deveria ser temporário. Não estava previsto Julie ser tão importante para os Watkins, nem se apaixonar pelos irmãos Matt e Finn. Especialmente Finn, que ela nunca viu pessoalmente. Mas isso realmente importa? Finn a entende como ninguém nunca o fez antes. Eles têm uma conexão. Mas esse é o caminho do amor, em todas as suas estranhas mudanças, ele sempre coloca algumas curvas. E ninguém escapa ileso.
Editora Pandorga. 368 páginas.

Uma cortesia adorável da Editora Pandorga. A leitura vai fluindo levemente, juntamente com a curiosidade para entender um pouco mais do universo familia da Watkins. Muito sensível, aborda diversos temas mesclados em uma história de romance. Achei a história realmente surpreendente, não imaginava o rumo que as coisas iam tomar. Tornou-se com certeza um dos meus favoritos deste ano.


Tudo começa com um golpe que Julie leva ao sair de sua pequena e pacata cidade e se mudar coma cara e a coragem para Boston: o apartamento que havia alugado online era falso. Após esse início difícil em Boston, Julie se muda para a casa da família de uma antiga amiga de faculdade da sua mãe, Erin Watkins, e logo ela percebe que aquela família reserva um mistério, principalmente com a caçula Celeste, que faz com que todos a protejam e não questionem a sua natureza um pouco anormal.

Após o golpe que levou online, Julie que não tinha uma boa relação com seu pai um empreendedor de sucesso, não conseguiu alugar um novo apartamento, então em troca da hospedagem na casa dos Watkins ela virou a companheira de Celeste. O que ela não esperava era se apegar tanto a família, e o que era para ser uma estadia provisória acaba tornando-se um pouco mais longa. Flinn, irmão mais velho que supostamente está viajando o mundo fazendo trabalhos voluntários, Matt, irmão do meio, o nerd super inteligente, e o mais responsável sobre sua irmã mais nova, Celeste, que criou um boneco de papelão (tamanho real) com a imagem de seu irmão mais velho (Flinn) para poder lidar com a saudade e a distância. Enquanto seus pais Erin e Roger fogem da responsabilidade e evitam encarar a realidade. Cada membro da família tem um pequeno desequilíbrio emocional e de certa forma, é justamente isso que ainda os mantém unidos. Celeste e Julie desenvolvem uma forte amizade e que faz com que Celeste, uma pré-adolescente excêntrica, vá amadurecendo e encarando o mundo ao seu redor no desenrolar da história.


Logo nos primeiros capítulos o leitor percebe percebe quão desajustada a família Watkins é, e sente-se extremamente cativado com a história e a personalidade de cada personagem. Umdos diferenciais do livro está na forma que a autora abordou de temas mais complexos e reais. O livro vai além de um simples romance, não tem nada a ver com aquele tipo de romance que envolve um de triângulo amoroso envolvendo dois irmãos e uma garota indecisa.Vai muito além disso. Os irmãos Finn e Matt são um mistério. Ao mesmo tempo em que são diferentes, eles revelam-se extremamente parecidos. Julie embarca em uma história com a família Watkins, cheia de revelações, surpresas e sentimentos intensos. Deu para perceber que adorei o livro não é? Recomendo muito essa leitura que me encantou e me surpreendeu bastante com o final. Com certeza um livro revelador!



Comente com o Facebook: