Em frente.

Respirei fundo e continuei em frente. Tudo ainda me abalava muito, mas eu sabia que ficar parada ali, esperando que algo mudasse ou que você mudasse, não adiantaria. Inúmeras vezes senti aquele aperto no peito que dizia “volta que vai dar certo, dessa vez será diferente”. Mas lembrei de todas às vezes que voltei. Lembrei de todas as chances que eu te dei. Por fim lembrei que em nenhuma você mudou, melhorou ou valorizou. E no meio de todas essas lembranças percebi que ninguém muda, ou seja, percebi que você não vai mudar. O que aliás é uma pena, me deixa triste saber que gastei tanto tempo em vão com uma pessoa que no fim, não tinha nada para me oferecer. O coração ainda dói, o peito ainda aperta, mas já não é por saudades ou por vontade de voltar atrás. Dói e aperta, por saber que um sentimento tão lindo que poderia ter acontecido, não aconteceu por bobeira sua, por orgulho seu, por ignorância sua, por descaso seu. O caminho que escolhi é o do amor. O do amor recíproco, companheiro. Escolhi deixar na minha vida somente o que for verdadeiro, o que for correspondido. Agora para ser parte da minha vida, o abraço dado precisa ser apertado, o sorriso precisa ser sincero e o beijo precisa ser com amor. Por isso, não estranhe essa minha mania de querer apenas sorrir e de apesar de tudo, ainda te desejar o bem. Desejo que siga seu caminho e encontre outro alguém. É  que agora é só assim que eu vou passar a enxergar a vida: com simplicidade e boa vontade, para permanecer só aquilo que me trás felicidade. É assim que eu acredito que vale a pena viver. (Escrito por Bárbara Flores)

Comente com o Facebook: