Vinte anos. Duas pessoas. Um dia.

Comecei a ler ele em julho, normalmente leio rápido, mas enrolei nele, enrolei justamente por ter apaixonado na história e não queria que acabasse! Eu lia um capítulo e tinha essas reações: "não, nossa, como assim? Não pode!" Sou do tipo de leitora que entra de cabeça na história e quando acontece algo inesperado fico indignada como se eu estivesse vivendo a história. Mas bem, vamos falar um pouco sobre o livro.






Um dia conta história de Dexter Mayhew e Emma Morley  que se não se conhecem, mas sim iniciam uma amizade, uma história em 1988, mas especificamente bem após a formatura da universidade, bem quando não existe mais a chance de se encontrarem casualmente ou eventualmente. E bastou apenas uma noite de muita bebedeira e conversas sobre o futuro, sobre suas coisas, o futuro e seus objetivos, para que não conseguissem deixar de pensar um no outro. Emma quer mudar o mundo ao seu redor por meio de palavras que ela um dia escreverá e já ele é praticamente seu oposto, Dexter quer viajar o mundo, ampliar seus horizontes, nada de se fixar, de se comprometer. E não se engane, esse livro não é somente romance, ele aborda a vida em geral. Cada um segue sua vida, os dois viram amigos, melhores amigos e a partir de então se encontram todo dia 15 de julho, durante vinte anos. Durante esse tempo, eles se comunicam por “cartas” (ela escrevia cartas enormes e ele respondia com cartões postais vagos). O livro nos passa certas lições de vidas que ás vezes nem notamos, e tem momentos que te fazem realmente parar pra pensar no jeito que a gente anda levando nossa própria vida. E a realidade é: por mais que eles sejam extremamente diferentes, você passa praticamente o livro inteiro implorando e desejando para que eles fiquem juntos. O livro me trouxe a mente dois pensamentos que entraram em conflito: que esperar pode ser a melhor forma de viver um amor ou esperar demais é perder a chance de vivê-lo! Acho que depois desse livro irei começar a me permitir mais, a viver mais. Ele nos faz perceber o quanto a vida passa rápido e o quanto deveríamos tomar mais atitudes e aproveitar mais as chances. e se vocês assim como eu são sentimentais preparem-se para ficar triste e quase chorar (ou chorar) no final do livro. Mas mesmo assim eu super recomendo o livro, é muito bom! OBS:. e para quem tem preguiça ou não gosta de ler tem ele em filme também, inclusive vou procurar para baixar agora!

E separei três frases do livro que me marcaram muito:
  1. Viver cada dia como se fosse o último – esse era o conselho convencional, mas na verdade quem tinha energia para isso? E se talvez chovesse ou você estivesse de mau humor? Simplesmente não era prático. Era bem melhor tentar ser boa, corajosa, audaciosa e se esforçar para fazer a diferença. Não exatamente mudar o mundo, mas um pouquinho ao redor.
  2. Às vezes você percebe quando os seus grandes momentos estão acontecendo, às vezes eles surgem do passado. Talvez seja a mesma coisa com as pessoas.
  3. Você pode passar a vida inteira sem perceber que aquilo que procura está bem na sua frente.



Comente com o Facebook: