Remar, re-amar, amar.

O amor é como um pequeno barco, para velejar para frente os tripulantes precisam estar remando para a mesma direção e na mesma intensidade. Não adianta só um remar, só um comandar, é preciso que os ambos estejam juntos, na mesma frequência, na mesma intensidade, para quando uma onda forte vier conseguirem enfrentá-la sem fazer o barco naufragar. E mesmo se o barco estiver furado, precisam continuar juntos, companheiros, para aprender que é possível nadar juntos. O amor suporta tudo, suporta uma onda, um obstáculo uma tempestade, e mesmo quando não parece mais dar certo, sempre há uma forma de salvá-lo. É preciso acreditar, esforçar o coração, é preciso remar, re-amar, amar. (Escrito por Bárbara Flores)

Comente com o Facebook: